• Home
  • Notícias
  • Saúde
  • ​Secretário de Saúde confirma dívida de mais de R$ 3 milhões na FESAT

​Secretário de Saúde confirma dívida de mais de R$ 3 milhões na FESAT

Camila Helem, da redação | 14 de Maio de 2019
​Secretário de Saúde confirma dívida de mais de R$ 3 milhões na FESAT

      Aparecida do Taboado (MS) – O secretário de Saúde, Márcio Galdino, e a diretora da Fesat, Mara Nilza Adriano, reconheceram que a Fundação Estatal de Saúde de Aparecida do Taboado acumula mais de R$ 3 milhões em dívidas com fornecedores, médicos e tributária, perfazendo quase 30% do orçamento total da Secretaria de Saúde.

      A informação foi confirmada na noite desta segunda-feira (13), no plenário da Câmara Municipal, onde eles participaram de oitiva convocada pelos parlamentares. Os gestores estavam acompanhados do advogado da Fundação, Dr. Paulo Santana.

      Conforme detalhou o secretário Márcio, R$ 693,2 mil do valor total dessa dívida é com médicos. Segundo ele, esta dívida foi gerada nos últimos 4 anos, “nenhum médico ficou um ano sem receber, são acumulativos”. O gestor ainda acrescentou que a partir de novembro do ano passado a unidade passou a pagar (a competência do mês) regularmente.

      A maior fatia do montante, no entanto, se refere à dívida tributária, que consome R$ 1,7 milhão. De acordo com o secretário, o déficit atual da Fesat é de R$ 90 mil por mês e será preciso rever o orçamento da autarquia para conseguir o equilíbrio financeiro, “precisamos criar um projeto de lei para reorganizarmos a saúde financeira do hospital e buscar o aumento de repasses dos entes federativos”, sugeriu. Nesse âmbito, vale destacar que o Município é a principal fonte de arrecadação do hospital, responsável pelo repasse (previsão) de R$ 315 mil por mês. Ao Estado cabe R$ 79,9 mil e à União, R$ 75 mil, totalizando aproximadamente R$ 469,9 mil mensais. No entanto, as despesas ultrapassam meio milhão de reais, “se não tivermos um aporte para cobrir o déficit mensal, teremos que cortar serviços”, prevê o secretário.

      Outro ponto que acabou destacado pela diretora da Fundação, Mara Nilza, é a folha de pagamento do hospital. Segundo ela, a unidade não é ‘cabide de empregos’ conforme pregam alguns aparecidenses. Mara garantiu que dos 85 profissionais contratados pela Fundação, apenas 4 ocupam cargos de provimento em comissão, “o restante são servidores concursados pela municipalidade”, afirmou ela.

      Formada em Administração com especialização em Saúde Pública e Direito Sanitarista, Mara chegou recentemente à Fundação Estatal de Saúde para reorganizar a contabilidade da unidade e propor alternativas que possam otimizar não só o atendimento ao público, mas melhorar também a arrecadação da autarquia.

      Segundo ela, depois da sua chegada, o hospital já aumentou significativamente o número de atendimentos, principalmente internações e cirurgias eletivas, o que colabora para o aumento de repasses federais e estaduais. Mara enfatizou que a Fesat saiu de uma média de 6 ou 8 cirurgias por mês e passou para 35 realizadas em abril. “Além disso, absorvemos algumas cirurgias ortopédicas que antes eram repassadas ao Estado e tínhamos sérios problemas com vagas. Só no mês passado realizamos 5”, acrescentou o secretário.

      Márcio também informou que hoje a Fesat atende cerca de 4,8 mil pacientes por mês, resultando em uma média de 161 pacientes por dia e 6,7 por hora. Além disso, fechou o último mês com quase 2 mil exames de diagnósticos e 500 raio x realizados, além de ter feito 6,8 mil administrações de medicamentos.

      Diante dos desafios e das conquistas, ele pediu o apoio da Câmara para reorganizar a saúde financeira do hospital e mais conscientização à população que utiliza os serviços do Pronto Socorro, onde os atendimentos priorizados são de urgência e emergência, “a população precisa aprender a utilizar mais os serviços dos ESFs para desafogar um pouco o Pronto Socorro. Nós não negaremos atendimento a ninguém, mas diante das nossas dificuldades, vamos dar prioridade à urgência e emergência, seguindo as classificações de risco”, finalizou.

      Esta é a segunda vez que o secretário de Saúde vai à Câmara prestar esclarecimentos sobre as deficiências da Fesat. A primeira aconteceu em setembro do ano passado, quando o prefeito Robson Samara esteve entre os convocados.

      Após a fala dos gestores, os vereadores aproveitaram a oportunidade de para esclarecer dúvidas e fazer outros tipos de questionamentos quanto à Saúde em Aparecida do Taboado. Para conferir o conteúdo completo acesso o perfil da Câmara Municipal no Facebook (Câmara Aparecida).

Aparecida do Taboado

Categoria : Saúde

Heller
Nenhum comentário encontrado.

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios.